segunda-feira, 30 de julho de 2012

pontal atafona

foto: aluysio abreu barbosa


Conhecido cientificamente como transgressão marinha, desde que o avanço do mar teve início, ainda nos anos 60 do século passado, na praia de Atafona, no município de São João da Barra, muitas são as saudades que nem o oceano Atlântico conseguiu submergir. A última delas, começou a bater ontem, junto com a força das ondas que destruíram o piso do Bar do Bambu, instalado há cinco anos e meio na antiga casa de barco da família Aquino, última construção que ainda se mantinha de pé no Pontal, mágica faixa de areia entre o oceano Atlântico e o rio Paraíba do Sul, famosa por reunir no mesmo espaço veranistas, pescadores, beberrões, famílias, amantes e poetas.

Desde que Neivaldo Soares, o "Bambu", se instalou de mala e cuia na construção, há cinco anos e meio, para lá instalar sua casa e seu bar, o local serviu como ponto de encontro obrigatório e libertário para todos que buscavam o Pontal para apreciar sua inigualável beleza natural, beber uma cerveja gelada, desgutar peixe ou camarão sempre frescos e fritos na hora, além de ouvir as muitas histórias contadas pelo dono do estabelecimento. Quase sempre verborrágico, sobretudo quando aditivado por uma caninha, mesmo quando fantasiava, Neivaldo, como genuíno poeta de vida, endossava Cazuza, poeta da vida e do verbo: "Mentiras sinceras me interessam".

Foi com a poesia, aliás, que o Bar do Bambu teve seu ponto alto. No verão de 2010, com a peça "Pontal", dirigida por Kapi, interpretada por Yve Carvalho, Sidney Navarro e Artur Gomes, com poemas de Aluysio Abreu Barbosa e Adriana Medeiros (além dos próprios Kapi e Artur), com patrocínio da Prefeitura de São João da Barra, o estabelecimento conheceu seu maior público, com média de 80 pessoas por cada apresentação de quinta a domingo, que se estendeu por um mês. A partir dali, de lugar alternativo, majoritariamente buscado por jovens, o espaço passou a ser também a ser frequentado por famílias e casais de meia idade, seduzidos pela beleza natural do lugar, pela decoração originalíssima do bar, com cascos de tartaruga, mandíbulas de tubarão e ossos de baleia, e pelo papo de Neivaldo.

Despejado pelo mar, o projeto de Neivaldo agora é atravessar o rio, se mudando mais uma vez de mala e cuia para a casa que já comprou na ilha do Pessanha, segundo ilhota da foz do Paraíba, depois da ilha da Convivência, ambas pertencentes ao município vizinho de São Francisco de Itabapoana. Quanto às ondas nascidas da cruza entre Netuno e Iemanjá, que ontem encerraram o fim da sua era no Pontal, seu último filósofo respondeu com a mesma generosidade com que sempre acolheu os fregueses do seu bar: "A natureza é singular e soberana. Continuo adorando ela!"

Aluysio Abreu Barbosa



Nenhum comentário:

Postar um comentário