quarta-feira, 27 de junho de 2012

metáfora outra metáfora


Marcelle Salles - foto: artur gomes


a menina das unhas azuis
no cais teus olhos de luz
como um peixinho  dourado
na  tatuagem das  costas
sob os tecidos oculta
em tua língua mil falas
quando coloca entre dentes
um chocolate de menta
com teu sabor imaginário
por entre a pele relicário
que só meu dedo roçou
naquela  cena em  suspense
que fellini não pensou

arturgomes

terça-feira, 26 de junho de 2012

metáfora

Sanya Rohen - foto: - artur gomes




a passageira da poltrona ao lado
observa a paisagem atentamente na janela
meus olhos focam o seu perfil na tela
meu dedo aciona o dispositivo do zoom
para ter a sua imagem mais de perto
o coração entende a sensação do seu olhar flertando a câmera
o sentido está aberto na viagem
onde a surpresa não tem planos
e a arte é puro acaso do que possa acontecer
na engenharia dos músculos que se movem
inconscientes onde poema houver
na miragem oculta numa manhã de sexta
depois de noite inteira de cerveja para perder o sono
sem saber que na poltrona ao lado
na luz desta miragem  iria amanhecer


arturgomes
www.tvfulinaima.blogspot.com

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Rio aí vamos Nós


Seguiremos hoje as 4 da manhã com alunos do Laboratório de Cinema Oficina Cine Vídeo IFF Campus Campos Centro para o Rio onde iremos registrar os últimos movimentos da Cúpula dos Povos na Conferência Rio + 20.

Artur Gomes

terça-feira, 19 de junho de 2012

Sesc Campos Apresenta


homem/lama/caranguejo


mangue Gargaú - fotos: artur gomes

No documentário sobre os manguezais de Recife com texto de Josué de Castro, ele afirma que ali, “homem e caranguejo são a mesma carne, pois se alimentam da mesma lama”   e vai além “no mangue, tudo é, foi ou será caranguejo, inclusive o homem e a lama. Não foi na Sorbonne, nem em qualquer outra universidade sábia que travei conhecimento com o fenômeno da fome. A fome se revelou espontaneamente aos meus olhos nos mangues do Capiberibe, nos bairros miseráveis do Recife - Afogados, Pina, Santo Amaro, Ilha do Leite. Esta foi a minha Sorbonne. A lama dos mangues de Recife, fervilhando de caranguejos e povoada de seres humanos feitos de carne de caranguejo, pensando e sentindo como caranguejo”.

arturgomes

segunda-feira, 18 de junho de 2012

navegar é preciso viver não é preciso


Marçal Tupã

 meu coração marçal tupã
sangra tupy & rock and roll
meu sangue tupiniquim
em corpo tupinambá
samba jongo maculelê
maracatu boi bumbá
a veia de curumim
é coca cola e guaraná

artur gomes
  

plástico de lixo nos mangues que mar eu bebo afinal




este final de semana saí com minha máquina de duas rodas pedalando pelo litoral de são francisco entre santa clara e guaxindiba, o registro foto gráfico está neste álbumhttps://www.facebook.com/media/set/?set=a.2185516933529.60980.1715210101&type=1 no próximo irei avançar fota grafar o trecho entre manguinhos e lagoa doce. 


bebo teu fato em fogo
punhal na ova do bar
palhoças ao sol fevereiro
aluga-se teu brejo no mar
o preço nem deus nem sabre
sementes de bagre no porto
a porca no sujo quintal
plástico de lixo nos mangues
que mar eu bebo afinal?


arturgomes
www.goytacity.blogspot.com

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Antes Arte do Que Nunca


foto: Larissa Rangel


Neste Vídeo, com imagens captadas por Larissa Rangel, aluna do IFF Campus Guarus e finalizado no Laboratório de Cinema do IFF Campus Campos Centro,  além de você poder ouvir esta belíssima canção de Edvaldo Santana, você pode ver também a alegria de uma criançada linda presente ao II Encontro Agro Ambiental na UPEA. Além de ainda ficar sabendo para que servem as minhocas.


arturgomes
www.tvfulinaima.blogspot.com

Liberado para o mundo, viralata do ocidente
Sem coleira, sem dinheiro, com um coração bem quente
Meu cabelo no outono toma sol pelo poente
Pra entrar sou clandestino, pra sair fico doente
Vou atrás atalho afora, do que tem a luz intensa
Que motiva meu desejo, que me faz pedir sua benção
Me dedico se possível sem pensar na recompensa
Sou daqueles que acreditam na paixão e na ciência
Vou beber mel pela fonte por onde meu faro alcança
Pra entender o que se passa entre a paz e a vingança
Minha arte não tem preço minha busca não se cansa
Eu sou bicho do mato com olhar de criança, aaaah...
Nessa vida eu agradeço os desenganos, aaaaah...
Meu violão tem a poeira dos ciganos, aaaah...
Nessa vida eu agradeço os desenganos, aaaaah...
A minha voz traz a franqueza dos hermanos
Atravesso a fronteira, meu amor, uma luz tá me chamando
Rosa, Dália, Alecrim, espalhados no jardim
Afro-tupi-guarani, esta história não tem fim...


Edvaldo Santana
www.edvaldosantana.com.br

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Um Dia na UPEA


Um Dia na UPEA - Semana do Meio Ambiente - II Encontro Agroambiental
filme produzido pelo Laboratório de Cinema do IFF - Campus Campos Centro
 com imagens captadas por Larissa Rangel aluna do IFF Campus Guarus - trilha sonora: Madan

DO RUBAYAT DE OMAR KHAYYAM (I)


IX

Em Naishapur ou Babilônia, alguma
Taça, ou amarga ou doce, sempre espuma,
Verte o Vinho da Vida, gota a gota,
Vão-se as Folhas da Vida, uma a uma.


XXV

Ah, vem, vivamos mais que a Vida, vem,
Antes que em pó nos deponham também,
Pó sobre pó, e sob o pó, pousados,
Sem Cor, sem Sol, sem Som, sem Sonho — sem.


LXV

Inferno ou Céu, do beco sem saída
Uma só coisa é certa: voa a Vida,
E, sem a Vida, tudo o mais é Nada.
A Flor que for logo se vai, flor ida.


(Traduções: Augusto de Campos) - musicado por Madan

segunda-feira, 11 de junho de 2012

semana do meio ambiente II Encontro Agroambiental


Local: UPEA - Unidade de Pesquisa e Extensão Agroambiental/IFF.
Data: 13 de junho de 2012 – quarta-feira.
Horário: 08:00 às 12:00h e das 14:00 às 18:00h.
Público alvo: Estudantes da Escola Municipal Elysio de Magalhães e da Escola Estadual Raimundo de Magalhães

Objetivo: Realizar o II Encontro Agroambiental atendendo estudantes da rede pública de Barcelos em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente.
Apoio: Prefeitura Municipal de São João da Barra

Programação:
Oficinas previstas Descrição Vagas Responsável

1-Criação de pequenos animais Orientação básica sobre a criação de pequenos animais (carneiros, galinhas e outros) 20 Antônio Gesualdi

2-Energia Renováveis Fornecer conhecimentos básicos sobre Geração de Energia Elétrica por painéis Fotovoltaicos. 25 Rodrigo Martins

3-Estação de tratamento de água e laboratório Princípios básicos sobre o funcionamento de estação de tratamento de água 20 Willians Sales Cordeiro
Monique Curcio

4-Informática Orientação sobre a criação de facebook 20 Solange da Silva Figueiredo

5-Mecatrônica (robôs e outros equipamentos) Apresentação de protótipos e invenções em robótica 30 Cedric Solotto

6-Piscicultura (criação de peixes em cativeiro) Orientação sobre o cultivo de peixes em cativeiro para consumo e comercialização 20 Rogério Burla / Amaro Gonçalves

7-Plantas medicinais (uso e manejo correto) Orientação cultivo, uso e manejo de plantas medicinais 20 Rose Mara Soares Corrêa

8-Produção de mudas nativas e minhocário Orientação sobre coleta de sementes e produção de mudas de plantas em viveiros 20 Milton Erthal

9 –Química do Lixo (reciclagem) Discussão sobre a composição do lixo residencial e possibilidades de reciclagem 20 Pedro Castelo Branco / Rodrigo Garret

10 – Oficina de Fotografia (uso de máquinas digitais) Orientação sobre o uso de máquinas digitais em fotos em diferentes ambientes 10 Diomarcelo Pessanha

11 – Oficina de Vídeo (uso de celulares com vídeo) Orientação sobre a criação de vídeo com uso de celulares. 10 Artur Gomes 
215 

Metodologia:
As oficinas serão realizadas integralmente nas dependências da Unidade de Pesquisa e Extensão Agroambiental no período da manhã e tarde.
Serão oferecidas 11 oficinas, em diferentes áreas. Cada Estudante da Escola Municipal Elysio de Magalhães e da Escola Estadual Raimundo de Magalhães poderá se inscrever em até duas oficinas.

As oficinas têm por objetivo despertar os estudantes para novos conhecimentos, que possam ajudá-los na escolha de sua formação técnica e profissional. As inscrições para as oficinas serão realizadas nas próprias escolas atendidas pelo evento por bolsistas de iniciação científica Jr. e Jovens Talentos da UPEA, em data a ser definida junto a direção das escolas. Serão disponibilizadas de 10 a 30 vagas por oficina, perfazendo um total de 215 estudantes por turno e 430 no evento.

No período da manhã, os estudantes deverão chegar na UPEA por volta das 8:00h. Eles serão reunidos na Tenda da organização, instalada no gramado da Unidade, para serem orientados para os locais de realização das oficinas. As primeiras oficinas se iniciarão às 8:30h e se encerrarão às 10:00h. Será oferecido um lanche para os estudantes entre 10:00 e 10:30h na tenda da organização. A segunda rodada de oficinas ocorrerá no período de 10:30 às 12:00h. No período da tarde as oficinas ocorrerão nos horários das 14:00 às 15:30h e das 16:00 às 17:30h. O intervalo para o lanche será das 15:30 às 16:00h.

Em reunião com a Sra. Carla Machado ficou definido que a Prefeitura Municipal de São João da Barra se responsabilizará pelo transporte dos estudantes (cerca de 215 em cada turno) para o evento, além da cessão da tenda de 15 x 15 metros, 50 jogos de mesas com cadeiras e sistema de som. Os lanches e toda estrutura necessária para realização das atividades serão de responsabilidade da UPEA/IFF. Ao término das atividades de cada turno os estudantes receberão certificado de participação nas oficinas da UPEA/IFF.

Organização:
Vicente de Paulo Santos de Oliveira
Milton Erthal Junior
Amaro Gonçalves Batista
Evelyn Rueb Lacerda de Araújo
Camila Ferreira de Souza
Wilza Carla do Couto Martins

catadores e catadoras de caranguejo de gargaú




guima 
meu mestre guima
em mil perdões
eu vos peço
por esta obra encarnada
nacarne cabra da peste
da hygia ferreira bem casta
aqui nas bandas do leste
a fome de carne é madrasta


ave palavra profana
cabala que vos fazia
veredas em mais sagaranas
a morte em vidas severinas
tal qual antropofagia
teu grande serTão vou cumer


nem joão cabral severino
nem virgulino de matraca
nem meu padrinho de pia
me ensinou usar faca
ou da palavra o fazer


a ferramenta que afino
roubei do meste drummundo
que o diabo giramundo
é o narciso do meu Ser


artur gomes
http://artur-gomes.blogspot.com/

terça-feira, 5 de junho de 2012

Gargaú onde o tempo não tem pressa

Aqui vive-se da sorte do mar e do mangue. Cerca de 2 mil pescadores e catadores de caranguejos e suas famílias sobrevivem da pesca. Boa parte deste contingente são pescad0res artesanais, com sua pequenas embarcações vão até a boca da barra, entre o rio Paraíba do Sul e o oceano Atlântico, pescar de redes de arrastão, tarrafa ou anzol, ou navegar pelos 3 alqueires de manguezais aqui existente a cata de caranguejo. Pelo que pudemos registrar, há a necessidade urgente de um trabalho de educação ambiental na região, para a preservação das espécies da fauna  e da  flora ali existente, pois uma quantidade enorme de lixo pode ser vista as margens dos canais e braços de rio  que irrigam os manguezais, além do impacto provocado pela construção do porto do açu.

artur gomes